Skip to main content

A tecnologia de containers é uma tendência de otimização que muitas empresas têm adotado como forma de se manter competitivas no mercado. Para utilizar esta tecnologia de desenvolvimento em larga escala é importante saber como os containers são gerenciados – é aí que entram os Kubernetes.

Neste post iremos explicar mais a fundo o funcionamento do Kubernetes.

O que é Kubernetes?

O Kubernetes, também conhecido como K8s, é uma plataforma open source de orquestração de containers. Ou seja, garante a automação, gerenciamento e escalonamento da rede de containers. Originalmente, o Kubernetes foi desenvolvido por engenheiros do Google, mas hoje é mantido pela Cloud Native Computing Foundation, para onde foi doado em 2015.

Cada provedor de nuvem possui um serviço de Kubernetes próprio: o EKS é fornecido pela AWS; já o Microsoft Azure possui o AKS, e no caso do Google Cloud é oferecido o GKE.

Alguns dos recursos do Kubernetes são:

  • Automação de execução de containers;
  • Gerenciamento de armazenamento de dados, seja local ou nuvem;
  • Gerenciamento de senhas e tokens de forma que não sejam expostos no container;
  • Gerenciamento da quantidade de containers executados para otimização de recursos; e
  • Balanceamento de carga, distribuição de tráfego de rede, exposição do container via DNS ou IP

Porém, antes de iniciar a jornada na tecnologia de Kubernetes, é importante que a empresa já possua uma infraestrutura de containers

A arquitetura do Kubernetes

Entender a arquitetura do Kubernetes, a forma como é projetado e organizado ajuda a compreender como ele é capaz de fornecer de fato esses recursos. Em resumo, o Kubernetes possui uma arquitetura construída pela presença de diversos componentes. Destacam-se:

  • Nodes: são os servidores de processamento responsáveis por executar os containers. Pode ser uma máquina virtual ou física, rodando localmente ou em nuvem.
  • Cluster: É um conjunto de nodes em execução. Na arquitetura do kubernetes sempre haverá um node chamado de main e um ou vários nodos chamados de worker nodes.
  • Main node: Também conhecido como nodo de controle, este servidor funciona como o cérebro do cluster. Ele será o responsável por expor uma API, realizar deployments, monitorar a saúde dos worker nodes, garantir o agendamento e dimensionamento dos aplicativos e orquestrar a comunicação entre os componentes.
  • Worker nodes: Este é o nome dado para as outras máquinas presentes no cluster, onde os aplicativos são executados. Os nodes aceitam e executam cargas de trabalho a partir de instruções fornecidas pelo main node.
  • Pods: São os componentes da aplicação, um conjunto de containers em execução dentro do cluster. Os containers de um pod sempre compartilham os mesmos recursos e rede local e se comunicam entre eles como se estivessem numa única máquina.

Segurança na nuvem com o CleanCloud Score

Cibersegurança é um fator de extrema importância para qualquer empresa que trabalha com computação em nuvem. Por isso, é necessário contar com ferramentas que auxiliem a manter a segurança e conformidade, como o CleanCloud Score – produto CSPM com mais de 300 verificações com base nos principais frameworks e regulações do mercado, incluindo ISO 27001, PCI e Bacen

Acesse uma conta gratuita de demonstração e conheça o CleanCloud Score

Close Menu

Selecione o produto que deseja acessar